aritmética

O sábado 27 de julho participei na homenagem que a Associação Verbo Xido argalhou na sua aldeia natal ao mestre republicano e exilado José Rogélio Otero Espasandim.

Eu nada sabia de Espasandim. Aceitei o convite porque sempre aceito os convites de Verbo Xido, mas houvem de aprender quem fora esse senhor. E estudei. E descobrim.

E de todo quanto lim, ademais de alguns poemas estupendos e que fam lamentar a tronçadura  que foi o golpe fascista do 36, gravou-se em mim esta anedota (pág. 18 da edição de María Cuquejo):

El equipaje del exiliado es liviano, a veces nulo. Recuerdo al matemático Otero Espasandín que, en Buenos Aires, rememoraba haber cruzado la frontera francesa de Cataluña, a pocos pasos de Antonio Machado,apenas con su regla de cálculo.

 

E nasceu um poema que lim com emoção:

 

carrego ao lombo

como solitária equipagem

uma regra de cálculo

 

trinta rigorosos centímetros

 

para medir

 

a minha pouquidade entre alturas pirinencas

a grandura da raiva que me envolve

 

a imensidade da minha dor

 

a imagem fai parte da reportagem gráfica do acto elaborada por X. C. Garrido Couceiro.

 

arriba carvalho verde!

hoje participarei, coa gente de verbo xido, num acto em defesa das árvores autóctones.

haverá petiscos, música e poesia.

às 19.30 horas no bar-restaurante o meu lar, de cerdedo.

 

para as que nom poidades ir, os textos que quero ler: