seique em noia

e lá fomos para a outra banda da barbança, levar-lhe o seique às gentes noiesas. e havemos voltar, porque fomos bem acolhidas e bem acompanhadas.

xerardo agrafoxo fez de mestre de cerimónias. levava feitinha da casa uma leitura atenta do livro, e marcadas nas suas notas uma cheia de curiosidades. de escritor a escritora. de pesquisador a amadora da pesquisa. sobre a escolha normativa e o renunciamento implícito a certames literários, sobre a escolha editorial (ou será a editora que escolheu a autora?), sobre o nível de responsabilidade no desenho do volume, sobre processo de construção do texto… polos gestos nalguma das imagens, parece que o público não o passou mal.

e ademais apresentou-me, desde o lugar privilegiado em que sentamos, a toda a inteletualidade noiesa presente: obrigada a todxs!

sala

dous

ainda_eramos

conversa

divertimos

 

As imagens são de Carmela, que também argalhou o encontro.

seguinte encontro: noia

seique_noia

abril em maio

polas terras de noia há vereadoras que aspiram a vareadoras e rejoneadoras. e trougeram, na semana dos maios e as gestas, uma pseudo-feira-de-abril sevilhana para o real da praça da vila. em noia! algumas pessoas temeram que falte pouco desta feira às touradas e pediram-me para acompanhá-las num pequeno ato subversivo.

e lá fui eu, com este texto, a pandeireta e uma cesta de limões 😀

ademais, entre samba e samba deliciosamente tocadas por isabel rei, botei uns poeminhas d’a noiva e o navio.

noia_3_5_15

todo para que noia continue a ser galega…

 

 

Lixo atlântico

Como FernandoCarballa é um artista visual, diz que não gosta de falar em público, que para isso estamos outras pessoas. E eu, como sempre tivem inveja daquelas que sabem desenhar, não tivem problema e falar por ele, na inauguração da sua exposição pitórica no Liceu de Noia, numa sexta de vento e chuva, de autêntica tempestade, perfectamente acaída às obras.

Este é o texto que levei. E recomendo que visitedes os locais do Liceu e vos deixedes atrapar pola força das suas pinturas? esculturas? crebas.